quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Como se não houvesse amanhã

Como se não houvesse amanha, eu ao acordar decido encarar o hoje. Não importa o que aconteça até a meia note deste dia, eu não desistirei. Distribuirei sorrisos e flores a todos que encontrar. Aprenderei a amar seus defeitos e a conhecê-los antes de julgá-los.
Num dia de guerra, mostrarei que há luz no meio de qualquer escuridão e que a sensação de morrer por alguém é melhor do que morrer sozinho. Celebrarei a vida daqueles que voltaram vivos e homenagearei aqueles que partiram.
Como o sol brilha para nós toda manha, meus lábios esparramariam alegria por onde houver tristeza. Em uma palestra da vida lhe darei motivos para viver. Mostrarei ao mundo que me importo com a natureza e plantarei uma arvore no centro da cidade de pedras. Farei com que o som de minha voz cante a mais bela canção e isso chegará aos ouvidos de todos os habitantes.
Numa tarde de chuva, compartilharei emoções que só as gotas d’agua podem nos fazer sentir. Te encontrarei durante meu caminho e num abraço viraremos apenas um. Farei com que o motivo pelo qual meu coração bata seja por ouvir o som de tua respiração. Me entregarei aos seus braços e desejarei nunca mais sair deles.
Como se não houvesse amanha, me deitarei ao teu lado e apreciarei a tua beleza. Agradecerei ao Senhor por ter te colocado em minha vida e por ter me dado mais uma chance de mudar quem eu sou. Fecharia meus olhos, sorria e me entregaria a um sonho do qual eu saberia que eu nunca mais poderei sair.

Aline Bueno

Nenhum comentário:

Postar um comentário