quarta-feira, 11 de julho de 2012

A Fogueira


Eu ouvia os estalos daquela fogueira no meio da rua que estava em minha frente. Eu via suas chamas aumentarem e diminuírem como o palpitar de meu coração. Eu via suas cores. Eu sentia seu calor que me aquecia numa noite fria de sábado. Então, admirando-a eu te vi e me vi ao teu lado. Estávamos felizes, rindo da vida e do que ela havia nos preparado. Conversávamos, mas o som de nossa voz era baixo demais para que eu ouvisse. Quando nossos olhares se cruzaram... Bom, não há como explicar este fato. Contudo, era maravilhoso ver aquela cena. Caminhávamos abraçados num parque, numa tarde nebulosa. Embora o calor de nossos corpos juntos nos fazia esquecer que estava muito frio. Disse algo em meus ouvidos e saiu correndo. Num simples susto do que acabara de ouvir e de ver, um sorriso brota em meus lábios e saio correndo ao teu encontro. Sem perceber estamos mata adentro daquele imenso parque. Qualquer um que visse nós dois sozinhos naquele local diria que éramos irresponsáveis e, realmente éramos. Entretanto, acima de tudo éramos apaixonados um pelo outro. Um estalo alto me fez voltar ao mundo real. Só assim para eu perceber que de meus olhos haviam lágrimas... Desta vez, eram de felicidades. Volto no mesmo instante e nós continuávamos correndo e entrando cada vez mais naquela sombria floresta que não nos causava medo. Então, você havia parado do nada e eu estava assustada com sua reação. “Será que ele viu algo?” eu pensava. E assim o medo tomava conta de mim. Foi assim, num simples acaso, que você se virou, se ajoelhou no mato úmido, olhou em meus olhos e disse:

Nunca te amei tanto em toda a minha vida. Você é a mulher pra mim. E eu não sei mais viver sem ti... Aceita se casar comigo? E viver ao meu lado para o resto de sua vida? Eu te amo!
Era o pedido de casamento mais belo que já havia visto. Eu chorava de emoção tanto naquele vislumbre quanto na vida real. O barulho daquela fogueira se tornou o nosso hino. Porque quando eu voltei a si, você estava vindo em minha direção e algo estava em suas mãos. Será que meu sonho havia se tornado realidade? Só vivendo para saber...
Aline Bueno