sábado, 27 de agosto de 2011

O Medo


Ter e, ao mesmo tempo, não ter medo. Querer seguir em frente e, ao mesmo tempo, querer voltar atrás. Correr, fugir. Mas, nunca enfrentar. Outro sentimento que nos desgasta e nos assombra. Só mais um desafio em nossas mãos. Embora, ele seja tão doloroso a ponto de nos cegar com sua faca afiada. Proferir “Eu tenho medo” é como uma vitória. É como ganhar na loteria. Mesmo sabendo, que este fato não possa ser assim comparado, eu o faço. Porque, a partir do momento que o ser consegue enxergar este sombrio sentimento, mais perto de enfrentá-lo e derrotá-lo ele estará. Qualquer que seja o motivo pelo qual se tem o medo, certamente, é sublime o expor do que escondê-lo. E mesmo que, ele esteja em nosso consciente, e simultaneamente, em nosso subconsciente prefira lutar e se machucar do que lhe entregar sua vida. O medo é como o ar, você pode não vê-lo, mas pode senti-lo. É como o inverno, tão rigoroso que nos cela entre quatro paredes. Como o amor, que faz de sua visita uma moradia permanente em nossa alma.
Aline Bueno

Nenhum comentário:

Postar um comentário