sexta-feira, 1 de abril de 2011

Lágrimas de nossa vida


Mais uma vez, lágrimas escorreram de meus olhos e foi difícil não deixar elas caírem. Persistiram tanto que eu as deixei lavar as lembranças que continham você. Mas, algo estava acontecendo. O que seria? Aquelas lágrimas eram diferentes das que já conheci. Não eram de alegria. E então, uma lágrima se apresentou a mim:
“Minha querida, eu sou a lágrima de solidão. E eu vim aqui para te fazer companhia. Venha comigo, e você não se arrependerá. Eu posso te ajudar a criar fantasias com ele. As mais belas fantasias que existem. Sente aqui, e vamos juntas a única saída que nos restam.”
Aquele convite era mesmo convincente. Irresistível. Não tinha como não aceitar. Não pensei duas vezes, eu só queria ficar com ele. Se não pudesse ser real, eu me confortaria com a ilusão. Mesmo antes de aceitar essa proposta venho outra lágrima e a mim se apresentou:
“Eu sou a lágrima da tristeza. Aquele que todos já conheceram. Só falta você. Venha comigo, minha querida. Eu sou a lágrima mais pura que existe e posso te ajudar. A única saída que tens é se render a mim e relembrar de todos os melhores momentos que passou com ele. Você poderá reviver cada segundo e sempre que quiser poderá reproduzi-los, pausar ou deixar em câmera lenta. Se entregue a mim e as únicas lembranças que restaram.”
Cada momento que eu vivi com ele, ali, em minhas mãos para sempre, pausadas, em câmera lenta. Outra boa proposta! Era a única coisa que eu poderia ter. Em qual deveria me entregar? ... Outra lágrima apareceu, rompendo meus pensamentos:
“Não chores assim. Eu sou a lágrima do ódio e vim para te salvar. Te salvar deste garoto que só te fez sofrer. Eu vim em paz, e te ajudarei a encontrar uma saída. Venha, pegue minha mão, vamos fazer ele sentir na pele o que você sentiu.”
Ah, com certeza! Com certeza essa era a lágrima que eu me entregarei. Ele não sabe o quanto me fez sofrer, está na hora de passar pelo que passei... Enfim, com muita delicadeza e rapidez. Uma lágrima envergonhada e desesperada gritou meu nome:
“Por favor, não as escutes.”
Suspirei e falei:
“Não, eu já me decidi. Irei me entregar a lágrima do ódio. Porque eu a escutaria?”
Cansada, a lagrima disse:
“Se você as seguir, se entregará a um buraco negro que existe dentro de ti e nunca mais poderá sair. Elas te farão escrava de suas próprias dores e medos. Escute-me! Eu sei o que estou dizendo, sou a lágrima da esperança. A salvação que muitos encontraram, mas que poucos seguiram. Eu posso te ajudar a superar tudo isso. Posso voltar a te fazer acreditar que um dia você encontrará seu verdadeiro príncipe, sua alma gêmea. E sim, esse dia chegará logo, mas você precisa estar preparada. Não estou mentindo. Você encontrará alguém muito melhor que ele. E esta pessoa, te fará feliz e te amará como você o ama. Junto com ela, você viverá um verdadeiro conto de fadas. Me dê a mão, se entregue a mim. Apesar, eu sou a única lagrima que convém seguir. A única que não vai te iludir e te prejudicar. Não tenha medo. Eu sou a ultima que morre. E sempre estarei ao seu lado. Dou minha palavra.
Eu estava confusa. Não conseguia pensar. Assimilar quem estava me enganando e quem estava falando a verdade. Elas queriam mesmo me confundir? Creio que sim! Lágrimas de vento escorreram de meus olhos. Decidi entrar de vez naquela dança. Respirei fundo. Pensei. Vi e revi todas as consequências que enfrentaria se decidisse escolher cada uma. Lágrimas de solidão só me ajudaria a criar fantasias com ele. Lágrimas de tristeza me ajudaria a relembrar cada momento que vivi junto dele e, poderia ver, rever, pausar ou deixar em câmera lenta quantas vezes quisesse e precisasse. Lagrimas de ódio me ajudaria a fazê-lo sentir o que senti. Não, não. Eu com certeza não vou seguir nenhuma delas. Fantasias não vão me satisfazer. Lembranças não passam de mentiras fajutas. Fazê-lo sofrer só me faria sofrer também. Eu o amo muito para querer seu mal. A única que me restou foi a lagrima da esperança. ÉH! Me entregarei a ela...
Algo estava acontecendo comigo. O que seria? Então, uma lágrima que eu reconhecia escapou do canto de meus olhos. E aquela feição cansada, desgastada, sofredora se foi, deixando com que um sorriso se abrisse em meus lábios e um brilho tomasse conta de meus olhos com lágrimas de alegria e esperança.
Aline Bueno

Nenhum comentário:

Postar um comentário