quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

O Buraco Negro


Um grande buraco negro se abriu no meu peito. E não há nada que eu possa fazer para fechá-lo. Aos poucos ele vai me consumindo. E não sei até quando irá parar. Está cada vez pior. A cada segundo, a cada minuto, ele me destrói. Faz com que eu sinta coisas que nunca senti antes. Coisas inexplicáveis. E nem mesmo, com toda a alegria contagiante de minhas amigas, fazem com que esse buraco diminua. A dor de uma perda é insuportável. Algo, que eu espero nunca mais sentir. Porque quando ela vem, ela devasta todos os momentos felizes de sua vida. Por mais que você tente, uma hora você resiste a essa dor. E se deixa levar por ela. Porque agora será ela quem comandará os próximos passos, e os próximos atos. Só espero não cair. Só espero não errar. Só espero deixar de te amar.
Aline Bueno

O pior sentimento de todos os sentimentos


Aquele sentimento que destruiu minha vida, agora é meu braço direito. Sem ele eu não consigo mais viver. Talvez, seja a razão de eu ainda estar viva. Talvez, seja a minha droga favorita. Ele é tão contagiante, que pela segunda vez, eu o estou sentindo. Embora, seja por outro motivo, e de outra maneira. Ao mesmo tempo em que me alivia também me machuca. É tão grande, que eu já estou me acostumando com ele. Eu poderia escrever mil versos em sua homenagem. Porque é uma das coisas mais puras que um ser humano pode ter. Uma coisa que, talvez, seja inexplicável e que poucos sentem. Mas aquele sentimento, aquele sentimento de solidão, é o pior sentimento de todos os sentimentos. E se um dia, você o sentir, cala-se. Talvez, seja a melhor escolha a fazer. O que adiantará você falar ou explicar a alguém se esta nunca o sentiu e nem sabe o quanto dói, o quanto incomoda? Está bem, pode comentar, mas não se deixe levar. Às vezes, é mais fácil conviver com a solidão dessa maneira, do que de outra.
Aline Bueno

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Uma fase


Erramos com medo de errar. Que mal isso tem? Nós não somos perfeitos! Precisamos errar para aprender. Será que isso é tão difícil de entender? Pô, eu não sou adulta, ainda sou uma criança. Por que eu tenho que decidir as coisas agora? Logo agora que eu me apaixonei? A vida é complicada. Mais complicados ainda são as nossas decisões. E é na adolescência, que escolhemos os nossos caminhos. E se houver qualquer errinho em uma de nossas escolhas, ele custará uma boa parte da nossa vida. Tem como você esperar só um pouquinho? A adolescência passa tão rápido... Será que eu posso curti-la, do meu jeito? Ou terei que bancar a adulta, quando todos os meus amigos ainda são crianças? Deixa eu me divertir, por favor! Que mal isso tem? Deixe-me errar, me apaixonar, chorar, sorrir, me divertir, me machucar. Deixa-me ser eu mesma. Me deixa em paz!
Aline Bueno

É tão difícil ...


É tão difícil acordar todos os dias. Mentir, dizendo que eu estou bem quando na realidade não estou. Sorrir, quando se quer chorar. Fingir que nada está acontecendo quando um muro caiu por cima de mim. Falar, quando se quer calar. Sonhar, quando todos os sonhos foram roubados pelo pesadelo que me persegue. Entender, quando não se quer compreender. Chorar, quando não se tem mais lágrimas. Dormir, quando todo o sono foi roubado pela tua atenção. Andar, quando se faltam forças nas pernas. Comer, quando não se tem vontade. Acreditar na verdade. Se divertir, quando tenho você em mente. Olhar seus olhos. Sair, sabendo que não irei te encontrar. Te esquecer, quando quero te amar...
Aline Bueno

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Eu só quero...


Eu só quero que acreditem que o esqueci, que eu não o amo mais. Que aquele louco amor, que ardia em meu peito e me fazia sofrer, silenciou. Que meu coração não o chama mais. Eu só quero que acreditem, que ele é apenas meu amigo, meu amigo e nada mais. Que minhas segundas intenções com ele, deixaram de existir. Eu só quero que vocês acreditem, que ele já fez sua história em minha vida, e agora é só meu amigo. Mesmo que meus sentimentos demonstrem outra coisa, eu só quero que acreditem que eu não o amo mais. Porque, assim, eu mesma acreditarei que eu não o desejo mais.
Aline Bueno

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Uma simples pessoa


Como pode ser tão difícil entender certos sentimentos? Como é possível fazer coisas sem ter noção de suas consequências? Como choramos, quando queremos sorrir? E como sorrimos, quando queremos chorar? Como suportamos as coisas mais difíceis da vida? Como conseguimos viver, se não temos a pessoa mais importante ao nosso lado? Como podemos conviver com as dores no coração, o vazio, a perda e o torpor?
Talvez, seja a esperança que trazemos conosco, no nosso lado direito, que sempre esteve presente e nunca nos deixou cair. A esperança de surgirem novos sentimentos; de termos noções daquilo que fazemos, e de suas consequências; de alegrias; de apoios; e de uma simples pessoa aparecer em nossa vida e abrir os nossos olhos. De passar a ser a pessoa que mais importa; de nos ajudar a suportar as coisas difíceis da vida; de tampar de vez aquele vazio; de nunca mais deixar com que o torpor e a perda me incomodem, e que faça com que a dor em meu peito cesse de vez, para nunca mais voltar.
Uma simples pessoa, ou um simples amigo, pode nos dar o conforto e a confiança. Pode estar presente, quando mais precisamos. Poder fazer da vida, algo mágico, maravilhoso, significante, especial, alegre, com muita diversão e desafios. Uma simples pessoa pode ser você!
Aline Bueno

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

As Pessoas e o Mundo, o Mundo e as Pessoas


É difícil entender as pessoas, ou melhor, o jeito como veem o mundo e as coisas a nossa volta. Agimos e falamos sem pensar, causando assim muitas transtornações e dores de cabeça. Talvez se Deus, “colaborasse” mais conosco, fazendo com que entendemos certas ações e reações, não teríamos tantos desentendimentos por “besteira” como temos. Entretanto, acredito que o mundo seria uma chatice completa. Algo do tipo: O mundo extremamente maravilhoso sem defeitos; o Mundo dos Contos de Fadas e dos Sonhos, ou simplesmente, o Mundo Perfeito. Por isso, que eu concordo com Deus, em não deixar com que as pessoas entendam, absolutamente, perfeitamente como aquela pessoa pensa, age e reage aos acontecimentos mais bonitos e sinceros, embora cause um bom desentendimento. Assim, valorizaríamos mais as pessoas que amamos, e descobriríamos o quanto ela é importante, especial e essencial durante a nossa existência. Precisamos, sim, de um pouco de açúcar em nossa vida, mas se nela nós não colocarmos uma pitada de sal, não teríamos gosto em vivê-la, muito menos aprender o que ela nos tem para ensinar.
Aline Bueno